SGS
Provedora dos Médicos, dos Doentes e da Saúde

http://www.sgs.com/en/Our-pany/Certified-Client-Directories/Certified-Client-Directories.aspx

Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos critica
“Contratação de médicos através de empresas prejudica gravemente a qualidade do Serviço Nacional de Saúde"

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) repudia a gestão de recursos humanos protagonizada pelo atual Ministério da Saúde e lamenta o aumento da despesa do Serviço Nacional de Saúde com a contratação de médicos oriundos de empresas privadas, isto é, mais 16 por cento entre 2015 e 2016, num total de gastos que ascendeu a 98 milhões de euros. "Está comprovada a carência de pessoal médico. Estranha-se, por isso, o aumento da despesa com subcontratação de empresas de trabalho temporário", condena o presidente da SRCOM.

Para Carlos Cortes, este despesismo é uma ameaça que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) enfrenta e é a prova de que o Ministério da Saúde está a ser incapaz de travar a desorganização no SNS.

"A atitude da tutela para resolver os graves problemas do setor não passa de puro mediatismo, uma vez que o Ministério da Saúde anunciou o fim do recurso sistemático a empresas de contratação de médicos e, afinal, a despesa com médicos contratados aumentou", critica o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos.

No caso da região Centro, os problemas sucedem-se, a situação é crítica nalgumas unidades de saúde e o desgaste dos profissionais resultará em claro prejuízo para a qualidade dos serviços prestados. No Centro de Saúde de S. Pedro do Sul, por exemplo, o recurso a empresas de contratação de médicos tem trazido inúmeros problemas ao Serviço de Urgência Básico. Acrescenta Carlos Cortes: "O Serviço Nacional de Saúde continua num estado calamitoso e o ministro da Saúde tem de fazer o que prometeu".

A Ordem dos Médicos do Centro reitera, aliás, a total discordância perante o recurso a empresas de recrutamento para suprir a carência de médicos. Face ao cenário ilusório de que as empresas resolvem as falhas nas escalas de serviço, "a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos continuará a pugnar pela qualidade da prestação dos cuidados de Saúde no Serviço Nacional de Saúde, defendendo a contratação efetiva e as carreiras médicas", garante. "Apostar, de forma clamorosa, num modelo despesista e que não contribui para o futuro do Serviço Nacional de Saúde, merecerá o nosso forte repúdio. Estamos perante uma política desastrosa de gestão recursos humanos", denuncia Carlos Cortes.

 

Coimbra, 23 de março de 2017